ENDOSCOPIA DA COLUNA

Minimizar a quantidade de lesão tecidual, trauma e dor pós-operatória são importantes para otimizar a recuperação de qualquer paciente de uma cirurgia na coluna. Ao longo dos anos, grandes avanços na tecnologia, nos equipamentos, na instrumentação e nos procedimentos da cirurgia da coluna vertebral ocorreram.

Cirurgia Endoscópica da Coluna, ou simplesmente Endoscopia da Coluna é, atualmente, o principal exemplo de quão longe chegamos no tratamento cirúrgico de nossos pacientes com problemas espinhais.

O que é Cirurgia Endoscópica da Coluna?

Trata-se de um procedimento cirúrgico que utiliza incisões milimétricas (5 a 10 mm) e pequenas cânulas tubulares em combinação com um sistema de câmera para visualizar o campo cirúrgico, através de um monitor de alta resolução por onde é possível passar instrumentos diversos para realização da cirurgia.

Há tempos, abordagens cirúrgicas endoscópicas são comumente usadas em outras áreas do corpo, como por exemplo, a gastrointestinal. Recentes avanços nos endoscópios, instrumentos e materiais permitiram uma ampliação enorme das patologias espinhais que podem ser tratadas por essa técnica.

A Cirurgia Endoscópica da Coluna é considerada uma forma avançada e de ponta no tratamento de hérnias de disco e compressões neurológicas na coluna, projetada para fornecer ao paciente um tempo de recuperação mais rápido e menos doloroso do que os métodos tradicionais de cirurgia da coluna vertebral. A Endoscopia da Coluna também pode ajudar a preservar a amplitude normal de movimentos da coluna no pós-operatório. Em muitos casos, o procedimento pode ser realizado usando anestesia local e sedação leve ao invés de anestesia geral, diminuindo os riscos médicos gerais em pacientes idosos e/ou com distúrbios médicos coexistentes que podem aumentar o risco cirúrgico.

Cirurgia Endoscópica da Coluna X Cirurgia Tradicional de Coluna

A Cirurgia Endoscópica da Coluna não deve ser confundida com procedimentos tradicionais, como microdiscectomias e discectomias. A endoscopia é realizada de maneira diferente, oferecendo aos pacientes muitos benefícios em potencial, incluindo:

• Mínima lesão de tecidos moles (pele, músculo e ligamentos);
• Pode ser realizada com anestesia local e o paciente permanece acordado conversando com o cirurgião;
• Mínima perda de sangue;
• Menor desconforto e dor pós-operatório;
• Permite que muitos pacientes possam ir pra casa no mesmo dia do procedimento;
• Não causa instabilidade da coluna, evitando assim a artrodese e uso de parafusos;
• Recuperação curta e retorno rápido ao trabalho.

No entanto, a Endoscopia pode não ser apropriada para todas as indicações de cirurgia da coluna vertebral, como escoliose, instabilidade da coluna vertebral, câncer ou trauma. Nesses tipos de casos, o cirurgião pode recomendar um procedimento tradicional de coluna aberta ou minimamente invasiva.

Benefícios x riscos da Endoscopia da Coluna

Como acontece com qualquer tipo de cirurgia da coluna, incluindo endoscópica, sempre há benefícios e riscos associados à cirurgia. Por isso, é importante que você e seu cirurgião de coluna vertebral conversem sobre os potenciais benefícios e riscos relacionados ao tratamento endoscópio de seu transtorno espinhal.

Benefícios potenciais: Pequenas incisões (0,5-1,0 cm) e direcionamento direto ao local cirúrgico significam menos traumas na pele, músculos e tecidos moles, resultando em menor perda de sangue e uma recuperação mais breve. Além disso, a maioria dos procedimentos de endoscopia pode ser concluída em até uma/duas horas, permitindo que o paciente fique de pé e tenha alta hospitalar após algumas horas da cirurgia.

Riscos Potenciais: A Cirurgia Endoscópica é uma técnica cirúrgica altamente especializada ainda pouco difundida. Como tal, relativamente poucos cirurgiões de coluna executam essa técnica com regularidade para serem proficientes. Geralmente, a cirurgia endoscópica da coluna não é adequada para casos de instabilidade espinhal clara, correção de deformidades (escolioses, hipercifoses, entre outras) e traumas.

Como é realizada a Cirurgia Endoscópica de Coluna?

Primeiro, o paciente é preparado para a cirurgia, incluindo a administração de um anestésico local para bloquear a dor. Uma incisão na pele de 0,7 cm é feita e um dilatador tubular seguido de uma cânula(com a largura de um lápis) é inserido. Dependendo do diagnóstico específico do paciente, a técnica endoscópica pode acessar a coluna usando dois tipos de abordagens: via Interlaminar (da parte posterior da coluna entre duas lâminas) ou Transforaminal (das laterais da coluna para o neuroforame).

Em seguida, uma pequena câmera é inserida através da cânula para a área alvo da coluna. Em toda Cirurgia Endoscópica da Coluna, a câmera captura e projeta imagens em tempo real do local da operação em um monitor na visão direta do cirurgião. A câmera endoscópica auxilia e orienta o cirurgião durante o procedimento cirúrgico. Quando a operação é concluída, a câmera endoscópica e o trocarte são gentilmente removidos e a pequena incisão é fechada com uma sutura e um curativo pequeno.

Você é um candidato à cirurgia endoscópica da coluna?

Muitos pacientes candidatos à cirurgia endoscópica da coluna foram diagnosticados com tipos comuns de distúrbios da coluna vertebral. Alguns desses diagnósticos incluem hérnia discal moderada a grave, artropatia facetária, ciática e estenose espinhal. No entanto, a cirurgia da coluna nem sempre é o primeiro tratamento. Geralmente, recomenda-se que outros tipos de tratamento não cirúrgico, como por exemplo, injeções espinhais e fisioterapia sejam experimentados antes de qualquer tipo de cirurgia da coluna, incluindo endoscópico.


Dr. Daniel Oliveira - Especialista em Coluna © 2019